Sunday, October 15, 2017

Is it the end of it all?

A bit of imagination

I can’t push the knife in

I can’t make the cut

I can’t turn the wheel

I can’t step off the kerb

I can’t take the pills

All I can do is imagine

I picture the knife going in

I imagine the lorry hitting

I see the wall racing towards me

I dream of drifting away

Escaping the  empty days

Not enduring the lonely nights

Not having to deal with this

Or cope with them

Or struggle with that

No more thinking

No more worry

No more envy

No more hating myself

No more anger

But there’s no coming back.

By Sudhakar Patel

Saturday, October 14, 2017

Was ist wirklich?

Die Geschichte vom Holzpferd

„Das Holzpferd“, so heißt es, „lebte länger in dem Kinderzimmer als irgend jemand sonst. Es war so alt, dass sein brauner Stoffbezug ganz abgeschabt war und eine ganze Reihe Löcher zeigte. Die meisten seiner Schwanzhaare hatte man herausgezogen, um Perlschnüre auf sie aufzuziehen. Es war in Ehren alt geworden…

„Was ist wirklich“, fragte eines Tages der Stoffhase, als sie Seite an Seite in der Nähe des Laufställchens lagen, noch bevor das Mädchen hereingekommen war, um aufzuräumen. „Bedeutet es Dinge in sich zu haben, die summen und mit einem Griff ausgestattet zu sein?“ „ Wirklich“, antwortete das Holzpferd, „ ist nicht, wie man gemacht ist. Es ist etwas, was an einem geschieht. Wenn ein Kind dich liebt für eine lange, lange Zeit, nicht nur, um mit dir zu spielen, sonder dich wirklich liebt, dann wirst du wirklich.“

„Tut es weh?“, fragte der Hase.
„Manchmal“, antwortete das Holzpferd, denn es sagte immer die Wahrheit. „Wenn du wirklich bist, dann hast du nichts dagegen, dass es weh tut.“

„Geschieht es auf einmal, so wie wenn man aufgezogen wird“, fragte der Stoffhase wieder, „oder nach und nach?“

„Es geschieht nicht auf einmal“, sagte das Holzpferd. „Du wirst. Es dauert lange. Das ist der Grund, warum es nicht oft an denen geschieht, die leicht brechen oder die scharfe Kanten haben oder die schön gehalten werden müssen. Im allgemeinen sind zur Zeit, da du wirklich sein wirst, die meisten Haare verschwunden, deine Augen ausgefallen; du bist wackelig in den Gelenken und sehr hässlich. Aber diese Dinge sind überhaupt nicht wichtig; denn wenn du wirklich bist, kannst du nicht hässlich sein, ausgenommen in den Augen von Leuten, die überhaupt keine Ahnung haben.“

„Ich glaube, du bist wirklich“, meinte der Stoffhase. Und dann wünschte er, er hätte es nicht gesagt – das Holzpferd könnte empfindlich sein. Aber das Holzpferd lächelte nur.

Aus dem Kinderbuch: “The Velveteen Rabbit“, M. Williams, New York

Tuesday, October 3, 2017

from some time ago... from a certain job

I get it.
I had a student hurt my feelings last week. Words that cut deep and wounded because there is always an element of truth perceived by the one being sarcastic.
And I’ve been icing my bruises all afternoon.
The school year is winding down, and I’m tired. I know you’re tired, too. Exhaustion is seeping in. We’re wondering if we’re going to end better than we began, or if our students will be dragging our limp bodies across the finish line.
My seniors may have three weeks left, but they checked out a month ago. Some days I wonder why I even bother to have a lesson. I could just assign a reading passage and the questions to answer from the end for the next fifteen school days.
There are teachers out there who do that…
I understand why.
I spend days and weeks begging and pleading, attempting to try anything that might, just might, get my students to read the books I assign.
I craft lessons and talk about stories and show video clips in every attempt to get my teens to think outside of themselves—to see the world and its nuances. Then I spend lunch wiping the tears of the one bullied and outcast.
I stay up to grade essays and comment on ways to improve their writing. Hours spent away from my family only to wonder if it makes any sort of difference when I see those same essays in the trash.
So by this time of year, I’m ready to call it quits. Every year wondering if I can do it again.
I know you understand. I know you feel the same. I know you have nights you wonder why you chose this profession, this teaching, this pouring out of your life into hearts day after day after day.
But really? You didn’t choose teaching.
It chose you.
For me, college was spent denying the very thought of teaching. It was only a far-in-the-background safety net if the writing thing didn’t work out.
The only job I could get right out of college?
Yep. Teaching.
By Christmas that first year I said never again.
I’ve been teaching thirteen of the last seventeen years, and now there’s no other job I’d enjoy more. (Unless being a travel writer for Condé Nast was an option…Are they hiring? Tahiti sounds like heaven right now.)
It is my calling. It is my purpose.
But here’s the thing about calling. God doesn’t call us to the easy. He invites us to the hard. The get-your-hands-dirty difficult. We are not promised perfect just because we are fulfilling our life’s purpose.
Because that kid with the bitter sarcasm? He or she may still need your smile that you might not want to give.
And your class after lunch with 20 big teenage boys and only five girls, all hyped-up with sugar, dyes, and processed foods and IEPs and 504s? They need to know they’re worth the effort even when they themselves show none.
And those children from broken homes with parents who shatter each other with words or fists? They need a quiet heart to stand beside them, even though you know politicians only see their test scores and not their homes.
And those students with apathy so thick you fear they will never feel anything? For anyone? They need to see that transparency breathes a beautiful life. They need to see it in you, even when the see-through heart leaves you an easy target.
Teaching was never about us. If this profession has called your name, you’re only ever in it for the students.
That’s why it hurts so much when they act like they don’t care or when the disrespect slaps us hard across the face, and the sting burns for days.
I know you’re tired. You’re battle weary with wounds seeping and scarring. But they still need you.
They need to see your fight.
Don’t give up, my friend. You can’t. I can’t. The stakes are too high. This calling, this profession, this teaching—it changes the future.
Our students are worth starting new tomorrow. They are worth giving it all we have one more day again and again and again.
Because there are students listening. There are students learning. There are students caring. We must refuse to allow the loud voices of a few to drown out the soft voices of teachable spirits.
Let’s fight together, friends. Let’s end this year better than we began. Let’s cheer each other on tomorrow and the next day and the next until we hear that final bell ring.
This is our calling. These are our students.
They deserve our fight.

Sunday, August 27, 2017

Wording Sunday

Word/Expression of the Day:

slippery slope argument (SSA), in logic, critical thinking, political rhetoric, and caselaw, is a consequentialist logical device in which a party asserts that a relatively small first step leads to a chain of related events culminating in some significant (usually negative) effect.

PS: Every Sunday I will pick an expression or word in any language, and I will help my blog readers break it to you. It is going to bring discipline to my blogging activities and it will for sure add to our vocabulary background. Quoting a controversial documentary I saw many years ago: "It is time to get wise".

The docudrama is entitled:
"What the "bleep" do we know?".

No drive, no ambition... Just the way it should be

Intense feelings

This influence normally indicates a few hours of unusually intense feelings. This morning you will have a strong desire to know yourself and to experience life largely through the emotion.

This is probably not the best time for work that requires a completely clear and dispassionate state of consciousness, but you will not feel like doing that kind of work anyway.

You will want to engage your emotions in whatever you do, and you will experience a richness of feeling and inner life that is satisfying in itself.

This influence is good for any business matters concerning the general public or for any situation in which you have to appear before the public or a large group.

Otherwise it is not an influence that stimulates drive and ambition.

Sunday, August 20, 2017

Well, well, well

I've played with death way too much this year. 2017 has got to end. To me, it is already over. I've had a few suicidal attempts, I had a miscarriage, and then, a few weeks ago, we had a bad, a very bad car accident up on the hills in the south of Brazil. Our car almost fell off a super high rocky cliff. Seriously, my guard angels are there for me, with no jokes. 

No doubts about it, but wishing to die is not on my list anylonger. As simple as that: the end was too close and I am not in the mood to say that I am scared of dying, because I am not. Never been. Never will. I even have a eulogy already written and published on the my side screen posts here on this blog... However, it is not fair to wish to pass away. I am just way overwhelmed on this messy life of mine, but it has always been messy, so who cares?
Dunno where I belong to. 

Dunno if I am doing a good job in life. I just know that in a country where there are more than 14 Million unemployed, I find myself holding five jobs, and apparently I have to consider that as a blessing. In the world where you pray to die and let the psychological pain disappear, God sends you the chance to go, but you actually stay, that is another kind of signal. Dunno.

I am getting closer to have my poetry book manuscript getting done and I will soon (not so soon) be able to have it for real, that is another signal that things are walking straight and head for the right place, wherever there might be. 

Cheers,
L.C.B.

Thursday, July 27, 2017

In equilibrium

Weak, transient effect: This morning you are in touch with your feelings to an unusual extent and are more able to express them to others. You probably lack the psychological tension that usually drives people to talk about their feelings, but you can listen most sympathetically to other people's problems now. The insight into your own feelings and the psychological equilibrium that you have now may enable you to offer effective help to others. This influence also signifies a state of balance between your feelings and your rational intellect. That is, you are able to think with great emotional sensitivity but still remain logical in your thought processes. Communications with women will be easy and quite favorable at this time, regardless of your own sex. And encounters with women may be quite informative in a positive way.

Sunday, July 16, 2017

Guia prático para "pronunciar" bem inglês

O Guia de Pronúncia abaixo está incompleto. Em 2007, o linguista brasileiro Fábio Braga de Alencar sistematizou todos os sons da Fonologia Inglesa e provou em tese e em livro que se deve apenas memorizar os sons de 1.000 regras em vez de 1.000.000 e palavras. Lançou o livro Guia da Pronúncia Inglesa ( editora Amazon ) e vendeu mais de 100 mil exemplares.

As regras são os sons de 26 letras, conforme o alfabeto e conforme suas situações fono-ortográficas e os Grupos.

Você já imaginou um livro contendo todas as REGRAS DA PRONÙNCIA DO INGLÊS para você nunca mais precisar recorrer ao Dicionário?  Pois saiba que esse livro já existe, e foi publicado no Brasil no ano de 2007.  O Guia da Pronúncia Inglesa - O Único, adaptado ao inglês falado nos Estados Unidos, funciona perfeitamente como um autêntico Dicionário Fonológico da Língua Inglesa porque fornece todos os fonemas rigorosamente organizados em ordem alfabética. Sob diversos títulos, você acha a obra somente no site Amazon e por um preço que você pode pagar. Vale a pena! 

Faça como milhares de brasileiros usuários do inglês, adquira agora o seu exemplar e dê adeus para sempre ao fantasma de não acertar os sons de um milhão de palavras em inglês. O autor provou em tese e em livro que em menos de 6 meses você obterá o sucesso esperado ao falar praticamente 100% do vocabulário inglês, sem chatear ninguém para saber como se fala aquela palavra; sem se cansar de ir ao dicionário comum, naquele folheamento de página infindável. 

Se for aluno de inglês, faça como seus colegas do Brasil inteiro que já possuem a obra, mas tem um porém: nada de fazer pegadinha com o professor; pois se ele não tiver este livro, certamente, pode cometer o equívoco de não saber pronunciar certo palavras no nível de SQUASH, INDICT, ANABASIS, TRACHEAE, CONTIGUITY, EXTEMPORANEITY, SCHISTOSOMIASIS e SOBRIETY. 

Veja que maravilha: As pessoas que já compraram este livro com todas as regras de fonemas ingleses sabem na ponta da língua pronunciar as palavras que citamos, e que, muitas delas, se originam do latim, e são 75% do dicionário. Pense numa coisa: não era burrice ter de abrir dicionário para pegar os sons de 750 mil palavras greco-latinas, cujos significados vinham de graça, por constarem no nosso dicionário de português, com algumas modificações de ortografia?... Não era burrice, não. Sem as ferramentas para se memorizar a fonologia completa do vocabulário inglês, só poderia acabar em chutes de sons de palavras. Eu, você, o autor, todos igualmente fomos vítimas da falta de uma cartilha do beabá para o idioma inglês. Um lapso linguístico dos ingleses, Nada temos a ver com isso 

Voltando às palavras lá de cima, quem conhece e já decorou as regras de pronúncia do inglês tira de letra os sons delas, e ainda explica os porquês de tais vocábulos serem chamados de tais maneiras, eu sou um deles, um dos beneficiados com as regras, por isso eu vou explicar: SQUASH som da letra S ( moleza ), som do grupo QUA ( kuó ) assim como quality, squat e squadron ( moleza ), som do SH ( moleza )  Vamos à outra: INDICT vogal I no sistema AEIOU + 2 CONSOANTES ( N, T ) som i médio ( moleza ) agora o outro I que deveria ter o som i também, por essa palavra ser exceção, chamo-la de ai de pai e o C é silente, exceção da letra C.  O arquivo mental para as regras comporta as suas exceções, que passam a ser extensões das regras, por isso não as esqueço. Agora, como o meu espaço aqui é pequeno, darei apenas o stress ( sílaba tônica ) das outras palavras  ANABASIS ( e-né-be-ziz ), a terminação VOG 1 + CONS 1 indica proparoxítonos como pyramid, analysis e animal. 

TRACHEAE ( trei-ki-i ) no sistema AEIOU + CON 1 + VOG 2,3 a vogal A soa ei, como em facial, radium e herbaceous. CH com som de K conta 1 consoante. 

CONTIGUITY ( kan-ti-guíu-i-ti ) stress em U do grupo sufixal UITY, de continuity e exiguity. 

EXTEMPORANEITY ( iks-tem-por-e-ní-i-ti ) stress em E ( som i forte ) no grupo EITY  como em spontaneity e deity. 

SCHISTOSOMIASIS ( chis-te-se-mai-e-ziz ) stress em I do grupo proparoxítono IASIS de psoriasis e myiasis 

e SOBRIETY ( sou-brai-e-ti ) stress em I do grupo IET, de diet, anxiety e society 

Não é legal? Se você ler uma revista americana, você vai repetir as 1.000 regras milhares de vezes. Um exercício bom é ler em voz alta os textos em inglês, foi assim que eu aprendi rápido e com eficiência. 

Nelson Villares - doutor em letras pela UCLA  Mora nos EUA desde 2002 

,

O presente guia de pronúncia tem como objetivo ser uma base teórica para consulta em caso de dúvida. Para aprender a pronúncia é interessante praticá-la ouvindo e repetindo. Veja mais em Como utilizar este curso. Deu-se preferência à pronúncia-padrão americana. Para um estudo mais aprofundado sobre a fonologia da língua inglesa, consulte o artigo na wikipedia.

Consoantes

A característica principal que difere as consoantes do português do Brasil e as do inglês é o uso de consoantes vozeadas em português e o uso de consoantes aspiradas em inglês.

As consoantes b, v e z não são tão vozeadas em inglês como são em português. E as consoantes p, f e s são aspiradas em inglês, enquanto no português não existe tal nuance de pronúncia.

Por exemplo, a palavra buy (comprar) em inglês geralmente tem a pronúncia muito semelhante à da palavra "pai" em português. E a palavra pie (torta) em inglês tem um som aspirado, como se houvesse um h depois do p ("p-hai")[1].

Entretanto, apesar de acentuar o sotaque brasileiro, pronunciar as consoantes b, c, f, k, p, q, s, v, z em inglês como se pronunciam em português não causa maiores problemas de entendimento. A letra c assume os sons "k", como em cat ("két" - gato) e "s", como em ceiling ("sílen" - teto). A letra s assume os sons "s", como em song ("sõ(g)" - canção) e "z", como em disease ("dãzíz" - doença). Mas geralmente as duas letras seguem a mesma lógica do português (cedo - carro / som - vaso). Raras exceções apresentam o som de j para a letra s, como pleasure ("pléjar" - prazer).

As letras d, g, l, m, n, t requerem certo cuidado:

O d é pronunciado a maior parte do tempo da mesma forma, independentemente da vogal que vem depois. Por exemplo, em São Paulo temos dois sons diferentes para o d na palavra "idade". O som em inglês do d na palavra deep ("díip" - profundo) corresponde ao primeiro d da palavra "idade", ou ao segundo d também, caso consideremos o sotaque do nordeste brasileiro.O mesmo ocorre com o t. A palavra teen (adolescente) deve ser pronunciada "tin" e não "tchin".O g às vezes assume o som "dj", e às vezes o som "g", independentemente da vogal que vem depois, como em age ("êidj" - idade) e get ("guét" - pegar, ficar, conseguir).O l nunca tem som de u, como em português. Deve-se sempre encostar a língua no céu da boca, como em old ("old", e não "oud" - velho).As letras m e n nunca são nasalizadas. Deve-se sempre fechar completamente os lábios para m, como em foam ("foum", e não "foõ" - espuma); e encostar a língua no céu da boca para n, como em under ("ándar", e não "ãder" - embaixo).

As demais consoantes têm sons fixos, a saber:

h - som aspirado, similar ao r na pronúncia padrão brasileira da palavra rato: hat ("hét" - chapéu). Nas seguintes exceções o h não é pronunciado: hour, honest, honor, heir ("áuur", "ônest", "ônor", "ér" - hora, honesto, honra/homenagem, herdeiro) e seus derivados.j - "dj" - just ("djãst" - apenas, simplesmente)r - sempre retroflexo, ou seja, enrolando a língua para trás, similar ao r da variante caipira brasileira, inclusive em começo de palavra, como em red ("réd" - vermelho), diferente de head ("héd" - cabeça).x - sempre "ks", como em taxi ("téksi" - táxi); a não ser que seja em começo de palavra, na qual terá som de z, como em xylophone ("záilafoun" - xilofone).

Os dígrafos consonantais do inglês são:

ch - geralmente "tch", como em chair ("tchér" - cadeira); poucas vezes "k", como em ache ("êik" - dor) e o som do x de xícara, como em machine ("maxên" - máquina).ck - "k", como em back ("bék" - atrás, de volta, nas costas)gh - às vezes som de g, como em ghost ("goust" - fantasma), às vezes som de f, como em enough ("ináf" - o bastante), mas geralmente não é pronunciado, como em night ("náit" - noite).kn - em começo de palavra, o k não é pronunciado, como em knife ("náif" - faca).ng - quando em final de palavra, tem o som parecido com o nosso nh, o n nasaliza a vogal anterior e a garganta se prepara para pronunciar o g, mas geralmente não o pronuncia, como em wrong ("rõ(g*)" - errado). Esse som também ocorre quando o n vem antes de k, como em chunk ("tchã(g*)k" - naco, pedaço).ph - "f", como em telephone ("télafoun" - telefone).pn / ps - em começo de palavra, o p não é pronunciado, como em psychology ("saikáladji" - psicologia).sh - som do x de xícara, como em show ("xou" - show, mostrar)th - admite dois sons que não existem em português. Para reproduzi-los, posicione a ponta da língua entre os dentes e fale s, como na palavra thanks ("s*énks" - obrigado/a) ou z, como na palavra that ("z*ét" - aquilo, isso, que).

Notas:

Algumas regras gramaticais fazem com que consoantes dobrem, mas elas mantêm um único som, como em stop ("stóp" - parar) e stopped ("stópt" - passado de stop).A terminação -ed pode ser pronunciada de três formas:

1. -t - depois dos sons "p, k, f, sh, s", como em worked ("uãrkt" - passado de work - trabalhar);

2. -ed - depois dos sons "t, d", como em wanted ("uánted" - passado de want - querer);

3. -d - depois de todos os outros sons, como em measured ("méjard" - passado de measure - medir).

Quando sílabas ou palavras terminam em certas consoantes, em português temos o hábito de acrescentar um "i" (sob pronuncia-se "sôbi", advogado pronuncia-se "adivogado", etc.), mas isso não ocorre no inglês, para-se na consoante. Da mesma forma, quando uma palavra inicia em s não se deve acrescentar som algum antes desta letra. Então stop pronuncia-se "stóp" e não "istópi".

Vogais

As vogais em inglês apresentam dois sons básicos possíveis, um longo (como um ditongo) e um curto (apenas um som), dependendo da palavra:

Sons longosExemplosSons curtosExemplosa"êi"fate ("fêit" - destino)"é"fat ("fét" - gordo)e"íi"compete ("kampíit" - competir)"é"pet ("pét" - mascote)i"ái"bite ("báit" - morder)"ê"[2]bit ("bêt" - pouco)o"ôu"note ("nôut" - nota)"a"[2]not ("nat" - não)u"iú"cute ("kíut" - gracinha)"ã"[2]cut ("kãt" - cortar)

Há muitas exceções, contudo. Seguem abaixo algumas delas:

Antes de r, o som longo da vogal a passa a ser "ée", como em care ("kéer" - cuidado), e o som curto passa a ser "a", como em car ("kar" - carro).Antes de r, as vogais eio e u assumem geralmente o mesmo som: "ã"[2], como em serve ("sãrv" - servir), bird ("bãrd" - pássaro), work ("uãrk" - trabalhar, funcionar) e fur ("fãr" - pele de animais, pelagem).Os e finais geralmente não são pronunciados, como em todos os exemplos acima.As vogais átonas geralmente têm todas o mesmo som, chamado de schwa. É o mesmo som do segundo a da palavra cama, como em under ("ãndar"), compete ("kampíit") e picture ("pêktchar" - foto, pintura).As vogais a e o podem ter som de "ó", como em fall ("fól" - cair, outono) e doll ("dól" - boneca).A vogal o pode ainda assumir som de "ú", como em do ("dú" - fazer).

E ainda há outras. Com tantas exceções, é interessante checar a pronúncia quando conhecer palavras novas. Veja mais informações sobre isso em Como utilizar este curso .

Semivogais e dígrafos vocálicos

As semivogais são geralmente representadas pelas letras w e y, que se comportam como consoantes, quase sempre unindo-se a vogais:

ya"iá", "ié", etc.yard ("iórd" - quintal, pátio)ay"êi"day ("dêi" - dia)ye"ié", "ií", etc.yes ("iéz" - sim)ey"íi"key ("kíi" - chave)yi"iê", "iái", etc.yikes ("iáiks" - caramba)/////////yo"iôu", "iú", etc.yolk ("iôulk" - gema de ovo)oy"ói"boy ("bói" - menino)yu"iã", "iiú", etc.yuan ("iiuán" - yuan, moeda chinesa)uy"ái"buy ("bái" - comprar)wa"uá", "uó", etc.wash ("uósh" - lavar)aw"óu"saw ("só" - passado de see - ver)we"uí", "ué", etc.wet ("uét" - molhado)ew"iú"new ("núu" - novo)wi"uê", "uái", etc.with ("uês*" - com)/////////wo"uôu", "uú", etc.wonderful ("uândârfol" - maravilhoso)ow"áu"wow ("uáu" - uau)wu"uuô"wuss ("uuôs" - frangote, covarde)/////////

Notas:

A letra y às vezes representa uma vogal curta, como em party ("párdi" - festa) ou uma vogal longa, como em cry ("krái" - chorar). E os sons de semivogal às vezes são parte de uma vogal longa, como em fate (a = ay).A letra w às vezes junta-se à consoante h, o que geralmente não modifica sua pronúncia, como em where ("uér" - onde). Em poucos casos pronuncia-se o h, em vez do w, como em who ("hú" - quem). Porém, em algumas regiões dos Estados Unidos, todas as palavras que iniciam com wh- devem ter a pronúncia "hú", como em where ("uér").A palavra sew ("sôu" - costurar) é uma exceção à regra da tabela acima.

Os dígrafos vocálicos podem representar o som de uma vogal curta (somente vogal) ou longa (vogal + semivogal), dependendo da palavra:

ae"êi"sundae ("sândei" - sorvete tipo sundae)ae"é"aeroplane ("éroplêin" - avião)ai"êi"pain ("pêin" - dor)ai"é"fair ("fér" - justo, feira)au"ó"daughter ("dódar" - filha)ea"êi"break ("brêik" - quebrar)ea"íi"sea ("síi" - mar)ea"ée"breath ("brées*" - respiração, hálito)ee"íi"see ("síi" - ver)ei"íi"receive ("ressíiv" - receber)ei"ái"height ("háit" - altura)ei"êi"weight ("uêit" - peso)eu"iú"deuce ("diús" - dois, dupla)ie"ái"die ("dái" - morrer, dado)ie"íi"believe ("bãlíiv" - acreditar)oa"ôu"soaking ("sôuken" - encharcado)oe"ôu"toe ("tôu" - dedo do pé)oi"ói"noise ("nóizz" - barulho)oo"ó"door ("dór" - porta)oo"úu"loose ("lúuz" - frouxo)oo"uô"book ("buôk"[3] - livro)ou"úu"you ("iúu" - você, vocês)ou"áu"couch ("káutch" - sofá)ou"ôu"soul ("sôul" - alma)ou"ó"thought ("s*ót" - pensamento)ue"iú"due ("dúu" - devido)

Entonação

A entonação em inglês americano é bastante linear. Os falantes do português brasileiro costumam manter a enorme complexidade e variação de tons de sua língua materna ao falar inglês, o que lhes dá um sotaque bastante característico: a impressão aos nativos de que estão "cantando". O hábito de enfatizar emoções e preferir transmitir significados através da entonação não é comum à língua inglesa. Por exemplo, a entonação de uma frase afirmativa e uma interrogativa em português são muito diferentes. Experimente dizer as seguintes frases em voz alta:

Ele está saindo com alguém.

Ele está saindo com alguém?

Ele gosta dela.

Ele gosta dela?

Em inglês a entonação praticamente não muda, pois a ordem das palavras ou um verbo auxiliar marca a diferença:

He is seeing someone.

Is he seeing someone?

He likes her.

Does he like her?

Emoções também podem mudar drasticamente a entonação em português. Leia a frase "Ele é casado." três vezes, demonstrando as seguintes sensações: 1. Descoberta de algo surpreendente; 2. Explicação a alguém sobre o porquê da atitude de outra pessoa; 3. Contradizendo uma negativa anterior.

1. (- Você viu a aliança no dedo dele?) - Ele é casado!

2. (- Não entendi por que ele recusou meu convite.) - Ele é casado.

3. (- Ele não é casado.) - Ele é casado.

Em inglês a entonação continuaria linear, preferir-se-ia utilizar palavras específicas para expressar as sensações:

1. - Gosh, he's married!

(Nossa, ele é casado!)

2. - It's because he's married.

(É porque ele é casado.)

3. - I'm telling youhe's married.

(Estou te dizendo, ele é casado.)

Em frases afirmativas, é comum em inglês pronunciar-se todas as palavras no mesmo tom, dando uma leve ênfase ao verbo (de ação) e à sílaba tônica da última palavra:

"He went to Miami by bus last week"

(Ele foi a Miami de ônibus semana passada.)

Quando há um verbo de ligação (cópula) é comum dar essa leve ênfase ao predicativo ou simplesmente à última palavra:

She is beautiful.

(Ela é linda.)

He is the best guy I've met in my whole life.

(Ele é o melhor cara que eu já conheci na minha vida inteira.)

Em frases negativas, geralmente enfatiza-se o verbo auxiliar (ou a cópula) e o advérbio de negação (not):

He didn't go to Miami by bus last week.

She isn't beautiful.

Em frases interrogativas, geralmente enfatiza-se o verbo auxiliar (ou a cópula) e a última palavra, que terá uma entonação levemente mais crescente:

Did he go to Miami by bus last week?

Is she beautiful?

Pronomes objeto e as preposições que os acompanham são geralmente átonos no fim das frases:

Do you want to watch it?

know how I'm going to deal with him.

Outra possibilidade existente é enfatizar a palavra mais importante da frase, mas diferentemente do português, enfatiza-se levemente apenas uma palavra na frase.

1.I didn't tell the police he stole the blue car.

2.I didn't tell the police he stole the blue car.

3.I didn't tell the police he stole the blue car.

4.I didn't tell the police he stole the blue car.

5.I didn't tell the police he stole the blue car.

6.I didn't tell the police he stole the blue car.

7.I didn't tell the police he stole the blue car.

Na frase 1. enfatizo que não fui eu quem contou à polícia que ele roubou o carro azul. Na frase 2. enfatizo que eu não disse, mas posso ter deixado escapar alguma pista. Na frase 3. enfatizo que não foi à polícia que eu contei. Na frase 4. enfatizo que eu não contei que foi ele. Na frase 5. enfatizo que eu não disse que ele roubou o carro, provavelmente amenizei os fatos. Na frase 6. enfatizo que eu não disse que foi o carro azul que ele roubou. E na frase 7. enfatizo que eu não disse que foi um carro o que ele roubou. Se eu não quiser enfatizar nada, a frase fica assim:

didn't tell the police he stole the blue car.

Velocidade

Quando a velocidade com que se fala é maior, pode ser que o som de algumas letras se juntem, desapareçam ou mudem. Os casos mais comuns são:

vogal + t + vogal OU vogal + d + vogal

Independentemente se na mesma palavra ou não, quando esses sons aparecem nesta ordem, o t ou o d assumem um som intermediário entre o d e o r brando do português.

better -> "bétar" -> "ber*ar" (melhor)

daughter -> "dótar" -> "dór*ar" (filha)

what a -> "uót a" -> "uór*a" (mas que)

body -> "bádi" -> "bár*i" (corpo)

I studied English -> "ái stãdid ínglesh" -> "ái stãr*ir*ínglesh" (estudei inglês)

O mesmo pode ocorrer se nesta sequência houver um r antes do t ou do d:

party -> "párti" -> "pár-r*i" (festa)

harder -> "hárdar" -> "hár-r*ar" (mais difícil)

t + semivogal i = tch / d + semivogal i = dj

I need you -> "ái níd iú" -> "ái nídju" (eu preciso de você)

I'll get you -> "ál guét iú" -> "ál guétchu" (eu vou te pegar)

palavra terminada em som de consoante + palavra iniciada em som de consoante

Quanto mais rápido se fala, menos se pronuncia a consoante final da palavra anterior, até mesmo desaparecendo:

I'm at home. -> "áim ét hôum" -> "amehôum" (estou em casa)

It takes a lot of time -> "êt têiks a lót óv táim" -> "etêiks alódotáim" (leva muito tempo)

I don't think they should do it. -> "ái dont s*ênk z*êi xuld dú êt" -> "ái dons*ênz*ei xuldúet" (eu acho que eles não deveriam fazer isso)

Take that. -> "têik z*ét" -> "têiz*ét" (pegue aquilo)

palavra terminada em som de consoante + palavra iniciada em som de vogal

Os sons tendem a se juntar como se fossem uma sílaba:

I'm an engineer. -> "áim én endjeníir" -> "amenendjeníir" (eu sou engenheiro)

What an annoying adolescent! -> "uót én anóien adléssant" -> "uodananóienadléssent" (que adolescente irritante!)

Pronúncia britânica e outras variantes

Este tópico fica a cargo do leitor.

Notas

 A pronúncia aqui colocada entre aspas é uma mera explicação baseada na pronúncia brasileira padrão, sem quaisquer referências a símbolos fonéticos ou sistemas do gênero.↑ 2,0 2,1 2,2 2,3 Estes sons são na verdade inexistentes no português. Tratam-se apenas de sons aproximados. O primeiro som é intermediário entre o "i" e o "ê"; o segundo, entre o "a" e o "ó" aberto; e o terceiro (que aparece duas vezes no texto), entre o "a" e o "ô" fechado. Há ainda um quarto som vocálico inexistente no português, intermediário entre "o" e "u", representado em poucas palavras pela letra u, como em put ("puôt" - pôr, colocar). Erro de citação: Código <ref>inválido; o nome "multipla" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "multipla" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "multipla" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Mesmo som de put.

Tuesday, July 11, 2017

Peace treaty

Valid during many months: The recognition of your own limitations can now enable you to achieve a natural authority which helps you to be more adept when dealing with others. This is particularly likely if you are in a wider sense occupied in a therapeutical or pedagogical role. Both with yourself and others you are intuitively able to strike a balance between sternness and sympathy, and this can be a great help if you are involved in counseling or educating others.

This is a very good time to deal with the mental or physical scars resulting from wounds inflicted by your parents or other figures of authority. Of particular relevance are situations in which you felt totally misunderstood or experienced a painful rejection which made you unable to forgive the person concerned. Be especially alert if these people suddenly reappear in your life, because this influence can help you to make conciliatory approaches to others.

During this time you will come to see your everyday structures and routine in a new light. You sense a growing urge to overcome old and particularly oppressive restrictions which limit your freedom to act. These may either be self-imposed or result from your sense of obligation to others. It is not so important to remove all your burdens and difficulties - on the contrary, your new understanding can help you to deal with your personal and social responsibilities and obligations in a new and more positive way.

Is it the end of it all?

A bit of imagination I can’t push the knife in I can’t make the cut I can’t turn the wheel I can’t step off the kerb I can’t take the p...